top of page
  • Foto do escritorJenildo Cavalcante

Prefeitura de Mâncio Lima constrói curral modelo par atender os pecuaristas da zona ribeirinha

O bem-estar animal vem ao longo dos anos sendo um dos aspectos mais exigidos dentro da produtiva da carne. A qualidade do produto final pode ser comprometida por situações que podem levar a contusões e lesões nos animais durante o manejo na propriedade, no embarque, durante o processo de transporte, nos currais frigoríficos o que compromete negativamente o produto. O abate humanitário é o conjunto de procedimentos técnicos e científicos que garantem o bem-estar dos animais desde o embarque na propriedade rural até a operação de sangria no matadouro-frigorífico que está inteiramente interligada a alguns fatores como: densidade, duração, distância e temperatura, apresentam grande influência no quesito de qualidade da carne.


Com o objetivo de melhorar o atendimento aos pecuaristas e criadores de suínos do Rio Moa, Rio Azul e seus afluentes e, como forma de garantir um bem estar ao anima, antes do abate, a prefeitura de Mâncio Lima deu início a construção de um curral no Porto da Cidade. A obra é fruto de emenda parlamentar da Deputada Federal Jessica Sales no valor de pouco mais de R$ 290 mil.

“O setor da pecuária, os criadores de bovinos e suínos de nossa cidade precisavam de uma atenção especial, de investimentos para dar mais conforto e segurança para quem precisa levar ou trazer seus animais do Rio Moa, Rio Azul e seus afluentes. Temos uma produção significativa e que vem a cada ano aumentando, criar espaços e condições dignas de receber esses animais tem sido uma política nossa como forma de garantir um produto de qualidade na mesa do consumidor”, falou Isaac Lima, Prefeito de Mâncio Lima.

De acordo com estimativas da Cooperativa dos Pecuaristas do Juruá o Município recebe na época do inverno, período propicio para a navegação de grandes embarcações, mais de 350 animais para abate e desmama, esse valor inclui os animais que sobem e descem os rios para as dezenas de fazendas localizadas em suas margens. O setor é considerado a segunda economia do município.


“Este recurso é extremamente importante para esse nicho econômico de Mâncio Lima pois, facilita o acesso no embarque e no alojamento do animal antes de ser levado para o abate e para as fazendas de criação de gado. Ter um local adequado, digno, com cobertura e distante do fluxo de pessoas é de grande avalia para garantir a qualidade do alimento que chega a mesa dos consumidores”, destacou João Anastácio Neto, Presidente da Cooperativa dos Pecuarista do Juruá.

Os primeiros estudos acerca do bem-estar animal tiveram início na década de 1960 e envolviam a criação de bovinos. Hoje, esse conceito é mais aprofundado e ampliado a todos os animais destinados a suprir as demandas alimentícias do ser humano.


Quando os animais estão dentro da sua zona de conforto (isto é, vivendo sob condições de temperatura, umidade, etc., ideais para o funcionamento perfeito de seu metabolismo), eles produzem leite, ovos e carne em maior quantidade e de melhor qualidade.


“Quero agradecer em nome dos pequenos criadores do Rio Moa e Rio Azul por esta obra de tão grande valia, tenho certeza que todos estão satisfeitos e agradecido. O antigo curral não oferecia segurança, conforto, não possuía cobertura e o anima tinha que fichar na chuva e no sol ocasionando estresse ao mesmo”, ressaltou Luiz Augusto Pinheiro, pequeno criador.

O curral possui 135 metros quadrados, dividido em cinco compartimentos com cobertura, piso, rampa de embarque e desembarque. O local de acesso ao mesmo teve o seu curso ampliado para facilitar o acesso das grandes embarcações.

Assessoria de Comunicação Social

Jenildo Cavalcante

Imagens: Evandro Ibernon


0 comentário

Comments


bottom of page