• Jenildo Cavalcante

Mâncio Lima perde uma de suas maiores lideranças indígenas


O cacique Mário Puyanawas no auge dos 77 anos, sempre foi um grande defensor das demarcações das Terras indígenas e sempre buscou transmitir seu grande conhecimento, inclusive no ensino da Língua Indígena, deixando um enorme legado para seu povo e toda Mâncio Lima.


Vítima da COVID-19, Mário Cordeiro de Lima Puyanawas faleceu no hospital do Juruá após 14 dias na unidade hospitalar entre enfermaria e UTI, mas o quadro piorou e ele não resistiu, falecendo neste sábado. O corpo foi sepultado na ala Covid do cemitério Morada da Paz, em Cruzeiro do Sul. Ele deixa esposa e 8 filhos.


O cacique Mario Puyanawas destacou-se junto ao seu povo principalmente no início dos anos 80, quando foi escolhido numa reunião para conduzi-los e lutar pela sonhada demarcação da Terra Indígena.


Fez várias viagens a Rio Branco, Brasília e sempre buscando dar visibilidade ao seu povo, além disso, ainda viajou a Noruega e a Inglaterra, onde recebeu uma quantia no valor de 5.000 dólares, que foi empregada na auto-demarcação da Terra Puyanawa que aconteceu em 1990, mas ainda faltava ser reconhecida pela Funai.

O grandioso, sábio e respeitado cacique, que agora encontra-se no céu sendo recebido suntuosamente pelos seus ancestrais, nunca esquivou-se de repassar seus renomados e valiosos saberes ao seu povo e quem se interessasse a aprender. O chefe (Yura Kaya) foi um dos precursores no ensino da Língua Indígena (Vãda Kuī), trabalhando sua retomada e preservação com outros anciãos do povo.


Reconhecido em muitos lugares do mundo, o cacique fortemente orgulhava-se de ter seguido com o fortalecimento e defesa do evangelho cristão na aldeia, atuando como pastor por muitos anos.


Mario Puyanawa cumpriu sua caminhada com muita dignidade, deixa um enorme legado para seu povo e toda Mâncio Lima. Agora, sem qualquer pertubação, dança o higuima, dança tradicional Puyanawa, com as crianças, na floresta onde tanto admirou. Hoje chora o índio, chora a mata chora a população manciolimense.

Yura Kaya kãday, mãwta higuima txirinū. ( o cacique convida, vamos dançar o higuima).


Mãkayki yura kaya turusu!!

(Pode ir em paz grande chefe, forte e poderoso).


O Prefeito Isaac Lima, a vice-prefeita Ângela Valente e toda gestão junto você externam a família e a aldeia Puyanawas os mais profundos votos de pesar.


Fica decretado luto oficial de três dias a começar de hoje e, ponto facultativo na segunda-feira 22 de junho.


Texto de Jósimo Constant Puyanawas, doutorando e pesquisador indígena do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.


Mâncio Lima, Acre, 20 de junho de 2020

Menu da Transparência

Saiba como e onde o Prefeito tem investido as arrecadações.

Portal da Transparência

Pessoal / RH

Patrimônio Público

Veículos & Frotas

OGU/Emendas Parlamentar

Convênios Federais

Lista dos beneficiários do Bolsa Família

Transferências Acumuladas

(FPM, Fundeb, Sal. Educação, ITR, FEX, CIDE, FEP, CFEM, AFM, Lei 87-96 "Kandir", ICMS) por ano

Lista de Precatórios

Rede SIM "Simples"

Sala do Empreendedor

Acesso à informação

   Registro

   Consulta

   Estatísticas do "e-Sic"

   Glossário

 

Fale Conosco

   Estatísticas de Contato

Desenvolvido por

DECORP - Conectando pessoas